terça-feira, 29 de setembro de 2015

[2015] Aquisição feira do livro 1

Boa noite,
passei pela feira do livro do Funchal e fiz uma compra. Para já foi apenas uma, uma vez que estava com pressa e acabei por não ver quase nada!
Em todo o caso, não pude deixar de comprar o livro novo da Joanne Harris que estava em promoção:
O reino do fogo - O evangelho de Loki, lançado no presente mês pela ASA.


O livro enquadra-se no género fantasia, e aborda a temática da mitologia nórdica. Esta acaba por ser a terceira obra que ela lança do género, após A marca das runas e A luz das runas, ambos na minha estante também em lista de espera. 
Esta obra vem desta forma juntar-se aos restantes volumes da autora que colecciono, na verdade tenho quase todos dela, mas infelizmente ainda não tive disponibilidade para ler mais.
Despeço-me com a promessa de regressar à feira e apanhar outras oportunidades :D Depois venho cá contar-vos tudo!
Boas leituras

domingo, 27 de setembro de 2015

Trocada [Trylle 1], de Amanda Hocking - Opinião

Título original - Switched
Saga: Trylle #1
Editor: Edições Asa
Sinopse: Aos seis anos Wendy escapa à morte quase por milagre - e quem a tenta matar é a própria mãe, acha que a filha não é sua, mas sim uma intrusa, trocada à nascença no hospital. Onze anos mais tarde, a estranha adolescente, de cabelos negros, começa a suspeitar de que a mãe, se calhar, até tinha razão. Na nova escola, mais uma entre tantas, ela sente-se posta à parte por todos. Menos por Finn Holmes, um rapaz silencioso e sombrio que se limita a olhá-la fixamente - e lhe desperta sentimentos contraditórios, um medo enorme, e uma irresistível atração. Finn é um Achador, que a procura há anos. E agora que a encontrou, quer levá-la para casa, para o reino dos Trylle, onde Wendy vai descobrir o que sempre suspeitou - ela é mesmo diferente, e tem poderes mentais muito mais poderosos do alguma vez imaginara. Primeira romance da Saga Trylle, Trocada é um fenómeno editorial sem precedentes. A autora foi rejeitada por dezenas de editores. Até que um dia decidiu publicar os seus livros sozinha, e vendê-los em sites, para pagar uma viagem a Chicago. O sucesso foi imediato, vendeu mais de dois milhões de exemplares.


Opinião:
Este é último livro que li para o meu Desafio Faerie e foi igualmente o que marcou a minha estreia com a autora.
Contrariamente aos livro que li do género, aqui a protagonista é uma trylle ou como se diz comummente, uma troll (risos). Pois é, a ideia que tínhamos acerca deles é totalmente modificada nesta obra, entre outros, são inteligentes, independentes e têm capacidades especiais, diga-se, poderes.
A Wendy sente que não se encaixa em nenhum lugar, claro que o facto da mãe ter tentado assassiná-la influenciou, mas ela parece achar que algo está a faltar. 
Na escola, sente uma conexão de algum tipo com o rapaz que está sempre com os olhos nela. Vem a descobrir que ele está lá para buscá-la e explica-lhe que ela é uma trylle, e uma "changeling", um ser que foi trocado pelo bebé biológico daquela família.
Após uma situação de confronto com outros Achadores, torna-se evidente que já não é seguro para a protagonista permanecer junto da família humana. É assim que ela parte para junto daqueles que são a sua espécie, e para junto da sua família biológica, ela que é a filha da rainha trylle. Agora tem que adaptar-se a novos costumes e à sua nova vida, mas isto é apenas o inicio da trama.
Normalmente neste tipo de história, os protagonistas são na sua maioria aparentados com a realiza, então acaba por ser um pouco "cliché", contudo gostei imenso de que a protagonista seja uma trylle, nunca tinha lido nada assim. Todo aquele conceito que tínhamos foi revirado pela autora e tornou-se em algo espantoso. 
Fiquei surpreendida com a justificação para a comunidade trylle proceder com os changelings, não a parte da formação das crianças mas a outra que não irei revelar :p
Tanto mistério, tanto secretismo à volta da Wendy quando ela retorna à sua origem, que até eu fiquei um pouco aborrecida. Ela é nova, quer se adaptar e conhecer os pontos de situação e não lhe dizem, depois esperam determinadas coisas dela e acham que a jovem não está à altura...ai ai. Nem o Finn sendo o seu "professor"/protector lhe pode dar certas informações pois acha que não lhe compete dizer.
O processo de aprendizagem dela até que é interessante mas o prazo até o baile é que surpreendeu, tendo em conta isso até acho que ela esteve bem.
Acho os poderes do Tove e da rainha espantosos, foi muito bom ler acerca das suas habilidades. Em relação à Wendy, é claro que ela está a descobrir-se, por isso fiquei satisfeita de termos tido um vislumbre e de não termos logo neste volume, uma demonstração do presumível grande poder dela.
Gostei do desfecho mas acho que não foi uma jogada muito inteligente por parte da Wendy, no sentido que compromete a sua segurança e a da sua família humana. Por outro lado, achei que seria bom para o Rhys, gosto bastante da personagem :)
Uma história que vale a pena acompanhar :)

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Duas meninas vestidas de azul, de Mary Higgins Clark - Opinião

Título original - Two little girls in blue
Editor: Bertrand Editora
Sinopse: A autora investiga o fenómeno ainda inexplicável da telepatia entre gémeos e desta forma vai construindo uma trama fascinante desde o rapto das crianças até à libertação de uma delas.

Opinião:
A história tem inicio com o rapto das gémeas no dia do seu 3.º aniversário. De imediato ficamos a par do crime planeado ao pormenor, apesar da família não dispor de grandes quantias de dinheiro, uma vez que tinha investido no imóvel recém adquirido. Isso não impediu os bandidos de tirar a Kelly e a Kathy da sua família e pedir um resgate no valor de 8 milhões de dólares.
A trama desenvolve-se enquanto a família luta por conseguir apoio financeiro, e acompanhamos sempre os acontecimentos de ambos os lados dos intervenientes (família vs criminosos com um cabecilha misterioso, o flautista mágico).
Para alivio dos pais, a ajuda financeira acaba por vir de uma fonte imprevisível, e as negociações prosseguem mas surgem complicações e apenas uma das gémeas, Kelly, é devolvida, julgando-se que a outra menina morreu. Porém, a dúvida surge quando a Kelly dá sinais de comunicar-se telepaticamente com a irmã, e a luta para encontrar a Kathy está mais emocionante do que nunca. É que a menina adoeceu e seguimos em contra relógio; agora mais do que antes, todos os minutos contam.
Uma obra repleta de emoções fortes! O livro tocou-me, confesso que dei por mim várias vezes à beira das lágrimas...fiquei sensibilizada. Que situação tão triste :(
Gostei de seguir os dois lados dos envolvidos e das pequenas histórias que iam surgindo pelo meio, e nos davam a conhecer outras personagens e outras vivências.
Outro aspecto que achei positivo, foi que além deste crime, foram descobertos outros, um deles bastante chocante, envolvendo uma personagem mais secundária.
O facto das pequeninas conseguirem falar entre si mesmo estando bastante afastadas agradou-me, bem como a narração e o desenrolar da história. Fiquei surpresa ao descobrir a identidade do flautista mágico, bastante inesperado. Aconselho :)
Este é o segundo livro que li da autora, tendo a minha estreia sido com A clínica do terror, já o li há algum tempo mas ainda tenho a opinião em atraso. 


Outras capas:

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Inicio de aulas

Olá a todos,
quero desejar um excelente arranque e um bom início de aulas a todos os nossos leitores e aos filhos dos mesmos, que este seja um ano lectivo melhor do que o anterior :)
É difícil mas tem que ser, é o que permitirá construir um futuro melhor!
Entretanto irão sair mais opiniões cá no blogue, visitem-nos ;)

- Bioquímica da Leitura

A revelação [Destinos interrompidos 2], de Lissa Price - Opinião

Título original - Enders
Saga: Destinos interrompidos #2 / Starters #2
Editora: Editorial Planeta
Sinopse: Com o fim da Destinos Primordiais, Callie já não tem de alugar o seu corpo a sinistros Terminantes. Mas o neurochip que lhe implantaram no cérebro torna-a vulnerável a todos os que quiserem entrar dentro da sua cabeça e obrigá-la a fazer coisas contra a sua vontade. Os Iniciantes que contêm este chip tornam-se cobaias nas mãos dos mais poderosos Terminantes, e alguém anda a fazer explodir os dispositivos, transformando-os em bombas humanas.
Determinada a vencer o medo e dar uma vida normal ao irmão, Callie decide ripostar.
Encontrar o Velho e travá-lo talvez seja uma sentença de morte, mas ela está disposta a tudo para descobrir a verdade.


Opinião:
Neste último volume temos a tão esperada continuação da história, com novos desenvolvimentos e com o aparecimento de novas personagens, realçando o filho do dono da Destinos Primordiais, que na verdade mostra-se um forte aliado contra o pai. 
A acção prossegue após a queda da companhia porém, os iniciantes continuam a ser usados e a Callie não vai descansar enquanto algo não for feito.
[Contém spoilers] 
Este volume tão aguardado foi uma maravilha! Descobrimos uma trama tão intrigante e bem construída, que subiu um patamar relativamente ao anterior. Houve um bem-vindo aumento de intensidade na acção e ainda as verdadeiras intenções foram reveladas e enfim...o responsável pelo controle dos iniciantes era ainda mais malvado do que pareceu nos Destinos interrompidos.
Oh my God!! Caiu-me o queixo quando descobri quem era "o Velho"!!!! Mais ainda quando li que na realidade as suas intenções não eram inteiramente como sugerido no primeiro livro. Houve uma grande distorção delas, por parte de alguém que ambicionava mais lucros, sem olhar a meios para atingir fins.
Todo aquele esquema, o facto de estar a brincar com a vida dos outros, sem referir o perigo para a segurança pública foi simplesmente surpreendente, adorei o rumo que a autora deu à história!
Entendo que o final escolhido para as personagens teve que ser aquele, mas por um lado queria que tivesse sido diferente, e lhes proporcionasse verdadeira liberdade e paz de espírito, depois de tudo o que passaram. Contudo devo realçar que da maneira que foi escrito, o final deixa um rol de possibilidades em aberto se algum dia a autora quiser voltar a este universo (o sonho de todos os fãs!)
Achei a história vibrante, com muitas reviravoltas e revelações interessantes, tornando-a uma leitura ainda mais agradável, recomendo :)

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Para sempre [Once upon 1], de Nora Roberts - Opinião

Título original - Ever after
Saga: Once upon #1
Sinopse: Allena sente-se só e marginalizada num mundo onde não parece encontrar lugar. Com a ajuda de um amuleto mágico, viaja até outro mundo onde conhece Conal, um artista atraente. Allena não consegue resistir à paixão que sente por ele, mas Conal sabe que é seu destino jurar fidelidade ao amor da sua vida na noite mais curta do ano. Mas conseguirá ele aceitar que o destino controle a sua vida ou irá deitar tudo a perder, renunciando aos seus sentimentos por Allena?

Opinião:
Gostei do conto que li desta colecção, Em sonhos e resolvi ler mais. É assim que após leitura do mesmo, surge aqui a minha opinião.
A Allena é uma mulher muito distraída e como se costuma dizer, "de cabeça sempre no ar", que não tem tido muita sorte na sua vida, principalmente no que concerne a manter empregos. 
Ao trabalhar com a sua irmã Margaret, vê uma oportunidade de ouro para mostrar o seu valor, provar que é responsável e que não irá desiludir mais ninguém. Contudo ao perder a noção do tempo, perde a viagem laboral de barco e ao arranjar alternativa, acaba num local completamente inesperado devido a um evento místico. 
Na ilha Dolman, é salva de uma tempestade pelo solitário Conal, um homem que vive aborrecido por estar associado a uma lenda familiar. O que mais lhe irrita é pensar que está predestinado a se entregar a uma mulher durante o solstício de Verão, «quando a estrela se mostra». A referida estrela é nada mais nada menos do que o pendente que a Allena adquiriu recentemente...
Uma história de amor sobre um homem carrancudo e em parte amargurado, e uma mulher que sente não se encaixar em local algum, excepto ali na ilha, junto do estranho que acaba de conhecer. Ela é tão sonhadora, que acredita na lenda e acaba por apaixonar-se facilmente. Já ele desdenha a lenda e voltou a casa para provar que ele próprio é capaz de escolher.
Há uma entreajuda entre os protagonistas a ultrapassar aspectos da sua vida. Gostei particularmente quando o Conal faz a Allena descobrir-se, fá-la se aperceber que ela não é completamente incapaz como se julgava, e fá-la valorizar-se, e ela ajudou-o a encontrar-se :)
O par vai-se conhecendo, vive momentos sensuais em clima romântico, e apesar de acharem que o seu tempo juntos é escasso, a intensidade do seu relacionamento cresce de tal forma que só faz o leitor querer saber que desfecho irá ter a obra.

domingo, 13 de setembro de 2015

Um ano do blogue

Olá leitores,
vocês são uns lindos :)
Venho cá para anunciar o primeiro aniversário do blogue!!
Hoje faço-vos uma revelação especial. Quando escolhi o nome para o blogue, tinha que ser relacionado com leitura mas queria originalidade. Bioquímica é a minha área de estudos e eu quis fazer uma espécie de trocadilho.

Quando lemos, muitas vezes desperta-nos emoções e essas podem ser "desencadeadas" pela libertação de substâncias químicas no cérebro, então dão-se alterações bioquímicas. E foi daí que partiu a ideia. :)
Espero que continuem a acompanhar este projecto, pois tenho muito gosto em desenvolvê-lo e partilhar o que escrevo com vocês!
Despeço-me com o desejo de que cá estaremos para o ano, com saúde e muitos livros lidos ;)
Boas leituras!

- Bioquímica da Leitura

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

A escola do bem e do mal [The school for good and evil 1], de Soman Chainani

Título original - The school for good and evil
Saga: The school for good and evil #1 
Editor: Lápis azul
Sinopse: "Os primeiros sequestros aconteceram 200 anos antes. Em alguns anos eram dois meninos levados, alguns anos duas meninas, às vezes, um de cada. Mas, se num primeiro momento as escolhas pareciam aleatórias, logo o padrão tornou-se claro. Um deles era sempre bonito e bom, a criança que todos os pais queriam como sua. O outro era solitário e estranho, um pária desde o nascimento. Um par oposto, arrancado de juventude e A Viagem de Chihiro"
Este ano, as melhores amigas Sofia e Agatha estão prestes a descobrir onde todas as crianças perdidas vão: a Escola do Bem e do Mal, onde meninos e meninas comuns são treinados para serem heróis de contos de fadas e vilões. Como a menina mais bonita Gavaldon, Sofia sempre sonhou em ser sequestrada para se levada para um mundo encantado. Com os seus vestidos cor de rosa, sapatinhos de vidro, e devoção a boas acções, ela sabe que vai conseguir ter as melhores notas na escola de pós-graduação para o Bem e ser uma princesa de contos de fadas. Por outro lado, temos Agatha, com seus vestidos disformes pretos, um mau gato de estimação, e que não gosta de quase toda a gente, parece um ajuste natural para a Escola para o Mal.
Mas, quando as duas meninas são arrastadas para a Floresta Interminável, elas encontram os seus destinos invertidos - Sofia é largada na Escola para o Mal, que tornam os seus alunos feios, aprendem Maldições da Morte, e têm Formação para a maldade, enquanto que Agatha encontra-se na Escola para o Bem, onde reinam príncipes bonitos e belas donzelas todos eles encaminhados para aulas de princesa, Etiqueta e Comunicação animal .. Mas e se o erro é na verdade a primeira pista para descobrir quem Sofia e Agatha realmente são ...?
A Escola de do Bem e do Mal é uma jornada épica para um novo mundo deslumbrante, onde a única maneira de sair de um conto de fadas é viver através de um.


Opinião:
Este livro suscitou-me imensa curiosidade, pois foi extensamente difundido nas redes sociais. A capa em si é gira, embora inicialmente tenha julgado ser uma obra mais para o infantil, mas então a sinopse, que não o fazia prever, foi o que realmente me interessou e levou a querer lê-lo.
Estamos presente uma amizade improvável entre duas raparigas completamente diferentes entre si, tanto a nível de personalidades como físico, não tendo absolutamente nada em comum, a não ser apreciarem a companhia uma da outra.
A Sofia é giríssima, muito feminina e bondosa, sempre sonhou com o seu próprio conto de fadas, e a Agatha, é bastante descuidada da sua imagem, anti-social e aprecia coisas que normalmente não agradam ao sujeito comum. O que se iniciou como "a boa acção" da Sofia, tornou-se numa verdadeira amizade.
Desde há dois séculos, a cada quatro anos, um par de crianças era raptado dos seus lares e jamais eram encontrados. Com o passar do tempo um padrão foi evidenciado, desaparecia sempre uma criança muito bondosa e outra maldosa. Mais tarde, soube-se que essas crianças estavam destinadas a frequentar a escola do bem e do mal, para se tornarem a realeza ou os vilões nos contos de fada. A Agatha achava isso tolo mas a Sofia sempre soube que iria tornar-se uma princesa.
Até que o dia chegou e ambas foram levadas. Contudo, aparentemente houve uma troca e as amigas acabaram por ficar nos lugares onde não pertenciam!
Uma história fantástica, gostei de conhecer um pouco dos dois lados da escola bem como, os dois lados das protagonistas. Nenhuma parece ser inteiramente má nem inteiramente boa, e isso deu mais interesse à obra.
A amizade delas é porreira mas é pontuada por eventuais actos egoístas. Como toda a verdadeira amizade, o perdão alivia a carga emocional mas também não era preciso estar sempre a bater na mesma tecla. Há medida que vamos lendo, vamos tendo a percepção que isto ocorre para nos mostrar aspectos da personalidade de uma das envolvidas.
A história vai evoluindo e as jovens vêem crescer os seus talentos, mas alguns aspectos inesperados fazem com que haja divergências entre as personagens e se inicie uma rivalidade sem igual. 
[Poderá conter spoilers]
Um encontro com o director da escola, indicou-lhes que resolvida uma charada, poderiam ir para casa. Esse é o desejo da Agatha mas a Sofia só quer permanecer na escola e ter a sua oportunidade de ter um final feliz com um príncipe. Contudo, uma vez que o Storian começou a escrever o conto delas, o caso agravou-se pois isso significava que a bruxa irá perecer e não havia perspectivas de um final feliz para elas. Venham descobrir como as amigas lidaram com a situação.
Gostei da evolução que o autor deu à história, gostei dos contornos que tomou e achei as personagens muito bem criadas, quanto mais lia, mais cativada ficava. Este mundo é simplesmente encantador e o desfecho agradou-me por inteiro, eu verdadeiramente anseio pelo próximo volume. Recomendo vivamente :)

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

[2015] TBR Jar challenge 9

Olá pessoal,
vim cá anunciar-vos como prometido, que retirei outro papel do jarrinho! Desta vez o desafio que me saiu para o TBR Jar challenge foi...



* Ler um livro escolhido por outra pessoa

*Challenge acepted!*

Para consultar o progresso dos desafios, basta ir ao separador Desafios literários, logo abaixo do nome do blogue, que serão remetidos para o seu respectivo link.

41ª Feira do livro Funchal


É com muito entusiasmo que venho informar-vos que a 41ª edição da feira do livro do Funchal, está para breve!
A todos os interessados, queiram dirigir-se à placa central na Avenida Arriaga para visitar a feira, que irá decorrer entre os dias 25 de Setembro até 4 de Outubro.
Uma excelente oportunidade para adquirirem livros, e dessa forma, proporcionar uma bela oferta a alguém ou aumentar a vossa biblioteca pessoal :)
Mal posso esperar! :D

domingo, 6 de setembro de 2015

Pegasus e o fogo do olimpo [Pegasus 1], de Kate O'Hearn - Opinião

Título original - The flame of Olympus
Saga: Pegasus #1
Editor: Livros d'Hoje
Synopsis: A young girl, a winged horse, and a war of epic proportions make for an adventurous start to an exciting new trilogy.
When Pegasus crashes onto a Manhattan roof during a terrible storm, Emily’s life changes forever. Suddenly allied with a winged horse she’d always thought was mythical, Emily is thrust into the center of a fierce battle between the Roman gods and a terrifying race of multiarmed stone warriors called the Nirads. Emily must team up with a thief named Paelen, the goddess Diana, and a boy named Joel in order to return Pegasus to Olympus and rescue the gods from a certain death.
Along the way, Emily and her companions will fight monsters, run from a government agency that is prepared to dissect Pegasus, and even fly above the Manhattan skyline—all as part of a quest to save Olympus before time runs out.

Sinopse: O Olimpo recebe a notícia de que um Pégaso foi avistado no mundo dos humanos. Pegasus é um mítico cavalo garanhão tão belo quanto misterioso, apesar de ter nascido e crescido na Terra. Emily e os seus amigos estão dispostos a viajar para o investigar. Esta missão leva-os ao deserto do Nevada, e da Área 51 até Las Vegas, onde irão descobrir uma sinistra conspiração. Ela está convencida que irão encontrar os seus antigos inimigos, a agência corrupta UCP. Porém, aquilo que encontram é maior e mais perigoso do que alguma vez esperavam e irá pôr o Olimpo contra os humanos numa inesperada batalha de dimensões épicas.
Com o destino dos dois mundos nas suas mãos, Emily terá de fazer uma escolha penosa, ou tudo aquilo que conhece e ama poderá ser destruído. Junte-se a Emily, e ao seu belo Pegasus, nesta épica aventura para salvar o futuro dos dois mundos.

Opinião:
Já que o tinha começado à pouco tempo, e devido à pouca disponibilidade, elegi este livro para realizar um tópico do meu desafio TBR Jar Challenge: * Ler um livro infantil (ou infanto-juvenil). A obra conta-nos acerca de uma guerra no Olimpo, mas sobretudo da luta pela sobrevivência do povo que lá habita. Isso e muito mais...
Ao perceber que algo atingiu o terraço numa noite de tempestade, a Emily vai averiguar a ocorrência. Fica espantada e simultaneamente encantada com a descoberta de que O Pégasus é bem real. Porém o ser mítico está gravemente ferido e ela não vê outra solução a não ser pedir ajuda a Joel, um colega temível, com cara "de poucos amigos" mas que passa o tempo a desenhar o cavalo alado.
Após estar curado, o perigo aproxima-se. Criaturas monstruosas seguem Pegasus até à Terra para matá-lo. São as mesmas criaturas que lançaram o caos e apagaram o fogo do Olimpo. Agora estão na Terra e a fazer mais do mesmo. Estará apenas a fugir ou existe algum mistério escondido para a visita do Pégasus ao nosso planeta?
Com esta obra fiquei a conhecer o trabalho desta autora, que escreveu Valquíria, outro título que gostaria de ler. Não sabia muito bem o que ia sair daqui mas quanto mais lia, mais queria progredir.
Achei amorosa a relação do Pegasus e da Emily! Após a perda da sua mãe, o amor que a criança desenvolveu pelo garanhão alado conseguiu fazê-la sentir-se um pouco mais "inteira", ajudou-a no luto. Achei isso muito bonito.
Foi desagradável para mim, ler as referências aos actos dos agentes UCP, principalmente contra as crianças, que crueldade :(
Achei bastante positivo dois aspectos que o livro demonstrou, um deles não devemos julgar pela aparência, como foi ilustrado através do Joel, que mostrou-se um bom amigo, fiel e meigo, e ainda, que as pessoas merecem uma segunda oportunidade, sobretudo se mostrarem-se arrependidas, como o caso do Paelen.
Um livro adorável que aborda temas como a mitologia, a amizade e a coragem. Temos acção do inicio ao final do livro, já que há uma perseguição constante aos personagens, tornando a história repleta de emoção!
É uma leitura para qualquer faixa etária mas recomendo sobretudo ao público jovem.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A musa irrequieta, de Pedro Paixão [Conto] - Opinião


Opinião:
Mais um mês, mais um conto para o desafio literário 12 meses, 12 contos portugueses que iniciei aqui no blogue. Criei este desafio no inicio do presente ano, com a finalidade de divulgar o trabalho de autores portugueses. 
Todos os meses publico uma opinião diferente, tentando dar a conhecer escritores que, na sua maioria, ainda não tinham sido mencionados aqui na página. Agora ao iniciar-se Setembro, optei por ler A musa irrequieta de Pedro Paixão.
O conto inicia-se com um professor que detesta o seu emprego, então para amainar a ansiedade de falar perante um grande público, elegia uma estudante e falava dirigindo-se apenas a ela, a sua musa. Contudo, fora daquele horário/espaço não se dirigia a ela seja como for, e fez disso sua regra.
Eva era muito bonita e revelava sempre um elevando grau de interesse nas aulas. Certo dia abordou o professor para questionar-lhe acerca de um exame, fazendo-o quebrar a regra. Foi a única vez.
Deixaram de estar relacionados académicamente, e à medida que a viagem dela pelo continente americano ia decorrendo, postais iam surgindo no cacifo do protagonista com curtos relatos. O tempo passou-se e voltaram a cruzar-se, e assim iniciou-se uma história de amor.
Gostei bastante deste conto, sobretudo das partes que descrevem a relação dos intervenientes. Vimos o florescer e a continuidade que o amor tem, e sem dúvida, vimos que o amor não escolhe idades. 
A vida é repleta de mistérios e ninguém sabe o que poderá estar mesmo ali à frente. Algumas decisões referentes à felicidade e a descoberta de que é possível ser feliz e ainda, é possível fazer alguém feliz, é das coisas mais gratificantes do mundo. Independentemente da duração, há coisas pelas quais vale a pena lutar.
O conto está disponível online de modo gratuito aqui.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

[2015] TBR Jar challenge 8

Olá a todos,
é aquela altura de tirar mais um papel do jarrinho! Desta vez o papel do recipiente do meu TBR Jar challenge que me calhou, é nada mais, nada menos do que...




* Ler um livro infantil (ou infanto-juvenil)

*Challenge acepted!*

Para consultar o progresso dos desafios, basta ir ao separador Desafios literários, logo abaixo do nome do blogue, que serão remetidos para o seu respectivo link.

O teorema Katherine, de John Green - Opinião

Título original - An abundance of Katherines
Editor: Edições Asa
Sinopse: Dezanove foram as vezes que Colin se apaixonou. Das dezanove vezes a rapariga chamava-se Katherine.
Não Katie ou Kat, Kittie ou Cathy, e especialmente não Catherine, mas KATHERINE.
E das dezanove vezes, levou com os pés.
Desde que tinha idade suficiente para se sentir atraído por uma rapariga, Colin, ex-menino prodígio, talvez génio matemático, talvez não, doido por anagramas, saiu com dezanove Katherines. E todas o deixaram. Então ele decide inventar um teorema que prevê o resultado de qualquer relacionamento amoroso. E evitar, se possível, ter o coração novamente destroçado. Tudo isso no curso de um verão glorioso passado com o seu amigo Hassan a descobrir novos lugares, pessoas estranhas de todas as idades e raparigas especiais que têm a grande vantagem de não se chamarem Katherine.


Opinião:
Este foi o segundo livro do aclamado autor que me propus ler, e foi igualmente, o segundo que publicou. Após uma aventura introdutória ao seu trabalho com À procura de Alaska, decidi que era tempo de conhecer outra obra. Optei por esta, pois a sinopse parece afastar-se do género de história do que li anteriormente, e a minha disposição no momento era para ler algo mais alegre.
O protagonista Colin é um jovem prodígio que ao longo da sua vida apenas se apaixonou por raparigas chamadas "Katherine", e todas as relações acabavam da mesma forma, elas deixavam-no. 
Após a 19.ª desilusão amorosa e com a permissão dos pais, ele decide partir numa aventura sem destino pelas estradas dos EUA com o melhor amigo Hassan. Deprimido, de coração partido e com receio de ter desperdiçado o seu potencial, esta pareceu-lhe uma ideia interessante já que não tinha nada a perder. 
Durante a viagem, quando ia visitar o túmulo de um personagem histórico sofre uma aparatosa queda, batendo com a cabeça, e é nessa altura que tem o seu momento "eureka" (seu sonho desde menino). Ele tem uma ideia para a criação de um teorema de previsão para relações amorosas, e decide trabalhá-lo, aplicando a sua experiência com as Katherines para comprová-lo.
Ao longo do livro acompanhamos o Colin durante as férias de Verão. O tempo presente é frequentemente intercalado com memórias dele, relacionadas com as diversas Katherines, permitindo-nos a conhecer parte da sua vida amorosa. 
São essas passagens que nos mostram aspectos da sua personalidade durante os relacionamentos, e confesso que em determinadas situações achei-o um bocado irritante. Por vezes o Hassan, pensa o mesmo e inclusive acha aborrecidas algumas conversas, pelo que frequentemente lemos frases como «não é interessante». Depois vemos que isso é uma maneira do Colin perceber que conteúdos deve ou não abordar numa situação social.
Os amigos dão por si numa pequena cidade no Tennessee, onde arranjam trabalho e novas amizades, e a restante trama decorre por estas bandas. As novas experiências por que passam, fazem-nos denotar crescimento pessoal, e a capacidade de se reinventar depois de um período menos bom.
Sem querer dar spoilers a quem não leu, quando surgiu o mistério com a Hollis e os segredos, desapontou-me descobrir a versão integral dos acontecimentos. Isto é, tinham um prodígio em casa e (quando descobriram) ele não pensou em nada? Por outro lado, fiquei satisfeita ao ver que a situação era tão altruísta. Apesar de estar a prejudicar-se, o pensamento era ajudar todas as famílias.
O livro acabou por revelar-se uma leitura leve, pautada por momentos cómicos e dinâmicos, excepto as partes relacionadas com matemática. Isso e uma grande panóplia de notas de rodapé foram também elementos que diferenciaram-no de outros livros que li. Até digo mais, o desfecho do livro é seguido por um apêndice elaborado a explicar o teorema.
Em todo o caso, achei a obra uma agradável leitura para este Verão, e continuo curiosa com o trabalho do autor.