terça-feira, 4 de abril de 2017

Jogador nº1, de Ernest Cline - Opinião

Título original - Ready player one
Editora: Leya
Sinopse: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade.
Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna.
Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência.
A vida, os perigos, e o amor agora estão mais reais do que nunca.


Opinião:
Já há algum tempo com o livro debaixo de olho e na minha (extensa) lista TBR, Jogador nº1 foi lido juntamente com o grupo em que participo em leituras conjuntas no GR. 
Após uma votação para eleger um stand alone, o livro saiu vencedor. O título teve também o propósito de completar um tópico do meu TBR Jar challenge: * Ler um livro de autor novo para mim.
Tendo lido Cress recentemente, entrei de imediato no mundo que Ernest criou, no qual um bilionário deixa a sua fortuna a quem descobrir o segredo embutido no jogo que desenvolveu. A humanidade fica doida perante tal perspectiva e lançam-se numa corrida para ver quem descobre primeiro.
Um rapaz oriundo de uma família com poucos recursos financeiros, Wade, é um dos que estudam os gostos do falecido, quando se dá conta de que descobriu a primeira pista para a obtenção da primeira chave.
No total são três chaves que abrem três portões e cada um contém uma determinada tarefa a realizar.
Passados cinco anos de tentativas, o sucesso de Wade aka Parzival desencadeia um frenesim e uma caça ao tesouro cujos perigos estão ao virar da esquina e são bem mais reais do que seria esperado de um jogo...
Diferente do que tem passado pelas minhas mãos, Jogador n.º 1 começou por ser algo que achei inovador e inesperado. Mas a verdade é que tanta referência aos gostos do falecido senhor, tornaram a narrativa maçadora em alguns segmentos.
Não me levem a mal, concordo com a opinião colectiva de que a década de 80 foi inigualável porém dei por mim a "ler na diagonal" por diversas vezes, quando era algum trecho mais descritivo (de algo que achava desinteressante).
Contrabalançando este aspecto, a astúcia, as demonstrações de inteligência, o decorrer da "acção" e as amizades improváveis formaram um componente importante, que fizeram toda a diferenca e elevaram a minha opinião acerca desta obra.
Como tanto a acontecer, quem é que não queria encontrar o ovo? Ainda para mais, vai ter adaptação cinematográfica e o Steven Spielberg é apontado como o responsável por trazer à vida este universo digital. Venham vocês e descubram se tiverem curiosidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário